joeyramone.com | markyramone.com | johnnyramone.com | cjramone.com | richieramone.com | deedeeramone.com

   HOME | NOTICIAS | DISCOGRAFIA | FOTOS | BIOGRAFIA | CARREIRA SOLO | RAMONES BRASIL | MURAL | LINKS | TRADE AREA |
       
 

Entrevista com CJ Ramone

 

 

IMG_6466 tag webReprodução da entrevista dada a Dave Burke em junho deste ano durante a Turnê americana. Entrevista original clique aqui.

 

Credits @DaveBurkePhoto. Thanks Dave

 

(Chicago, IL) - Quando o membro fundador e principal compositor Dee Dee Ramone deixou os Ramones em 1989, o que poderia ter sido o fim da banda, trouxe ao cenário Christopher Joseph Ward (CJ Ramone).Escolhido a dedo por Johnny, CJ iria estrelar no baixo, bem como contribuir nos vocais e músicas para os próximos sete anos, até a banda em seu último ato, quando se aposentou em 1996.

 

Voltando à ação em 2012 com Reconquista, seu primeiro álbum solo sob o nome Ramone e agora na estrada coliderando uma turnê de primavera com Shonen Knife divulgando pelos EUA seu segundo trabalho solo, "Last Chance To Dance" (Fat Wreck Chords) a Músic Life Magazine conversou com CJ em suas paradas em Chicago e Milwaukee para discutir seu tempo dentro e fora dos Ramones.

 

Dave - Hey CJ, obrigado por sentar-se comigo. Eu quero falar sobre o disco atual, mas espero que você não se importe de tocar em algumas coisas sobre os Ramones também.  

CJ - Nah, não há problema. Esses foram alguns dos melhores anos da minha vida.  

 

Dave - indo para trás a quando você era um garoto. A Música era algo que você sempre teve uma paixão ?

CJ - Eu estive sempre na musica e fui fã de música, mas eu gostava realmente de esportes quando eu era um garoto. Eu jogava futebol, mas quando eu tinha uns treze anos eu tinha essa coisa chamada Síndrome de Osgood Schlatter. Eu tive um surto de crescimento de seis polegadas que destruiu o tecido conjuntivo em meus joelhos.

Depois que eu soube que não ia ser capaz de jogar futebol, eu ficava apenas deitado deprimido e meu pai disse "você não pode apenas sentar-se, você tem que fazer alguma coisa." Eu tinha alguns amigos que tinham uma banda e eles precisavam de um baixista, então eu disse para o meu pai ", tudo bem, me da um BAIXO ". Então, aprendi a tocar e nunca tive quaisquer lições.

 

Dave - Que tipo de música que você estava ouvindo nessa idade?

CJ - Não era um monte de punk rock nesta época. Eu tinha ouvido falar dos Ramones e gostava deles, mas eu não era realmente um "fã" ainda. Eu provavelmente estava ouvindo um pouco de tudo, Black Sabbath, The Beatles, um monte de rock clássico. Tenho sorte, quando eu era criança, meu pai ouvia boa música, então eu vi sobre tudo, de Johnny Cash e Patsy Cline para Jimi Hendrix, The Doors, Doo Woop. Meu pai realmente gostava de um monte de coisas legais. Isso é o que me fez um fã de música, em vez de apenas um fã gênero.

Eu adorava heavy metal, mas eu sempre escutei um monte de música e eu nunca perdi isso. É claro que naquela época não era muito "cool" se você fosse um cara de metal e ouvia Johnny Cash ou algo parecido. Agora é diferente, eu acho que as pessoas têm uma apreciação mais ampla de música diferente.

A cena do metal sempre foi muito conservadora e na minha cidade se você não ouvisse Manowar você tinha o seu traseiro chutado (risos).

 

Dave - Quando você notou que chegou a um certo nível de proficiência que você estava escrevendo e tocando em bandas?

CJ - Eu estava em algumas bandas cover, mas quando fiquei bom em tocar eu realmente só queria escrever, eu realmente tinha aquela vontade de fazer minhas próprias coisas. Eu era sempre intenso quando eu era criança e estava sempre escrevendo coisas que me deixavam pra baixo, meus sentimentos ou poesia, eu claro, não mostrava pra ninguém (risos).

Então, eu sempre tinha algo para expressar e eu acho que é por isso que agarrei  a música com o aperto de um homem morto. Ele me deu uma saída para obter essas coisas lá fora.

 

Dave - Quando você teve sua audição para os Ramones você estava nos fuzileiros navais, você alistou-se logo após o colegial?

CJ - Não, eu tinha tido alguns trabalhos, mas naquela época a economia onde eu morava era muito ruim e eu tinha sido despedido, então eu tinha 20 anos, e trabalhava como paisagista. Eu realmente nunca tinha qualquer interesse em ir para a faculdade, eu estava mais interessado em sair pelo mundo, ter experiências e fazer as coisas. Eu só acordei um dia e disse: "Eu não vou viver e morrer na minha

 cidade natal."

 Meu pai e todos os meus tios, haviam servido no exército, por isso foi uma decisão muito simples para mim.

Eu estava muito confortável com a coisa toda.Pensei em fazer alguns anos, voltar, entrar na força policial e foi isso. Graças a Deus, ele não funcionou bem assim (risos).

 Olhando pra trás agora, se tivesse ido para o serviço militar, eu estaria aposentado com uma pensão até agora. Minha vida seria muito diferente, eu teria uma vida muito mais segura, mas as coisas que eu tenho feito e visto ao longo dos anos mais do que justificam a minha decisão.

 Então, quando cheguei a audição eu ainda estava na Marinha, por isso foi complicado por pouco tempo.

 

Dave - Como você ficou sabendo sobre a audição?

CJ - Eu estava em casa a partir dos fuzileiros navais e um amigo que estava em uma banda com o irmão de Joey,  Mickey, me ligou e me disse que os Ramones estavam fazendo testes para baixistas. Pensei em ir e ao menos poderia conhecer a banda.

 

Dave - Eu sei que você provavelmente já teve de contar essa história um milhão de vezes, mas você tem alguma lembranças específicas da sua audição?

CJ - Eu tinha quinze minutos, cheguei  cedo e era o primeiro lá. Eu entrei, conheci Johnny, apertei sua mão e disse-lhe que eu era um grande fã. Eu não tinha expectativa de ficar, então eu tenho certeza que eu estava tão relaxado e descontraído que eu provavelmente estava muito confiante.

 Ele me perguntou o que eu poderia tocar, eu disse que eu poderia fazer "I Wanna Be Sedated", que eu tinha aprendido nos 15 minutos antes quando recebi o telefonema até a hora de sair de casa.

 Johnny, Marky e eu tocamos, e enquanto estávamos tocando uma segunda vez, Joey entrou, disse oi, e foi isso.

Alguns dias depois eu cheguei em casa e minha mãe disse que Monte Melnick (gerente de turnê Ramones) tinha me chamado. Foi tão longe do que eu pensava em tocar nos Ramones que eu imaginei que ele tinha me ligado pra dizer que tinha esquecido algo no estúdio.

 Quando eu voltei eu cheguei lá cedo, mas fiquei até tarde para ver quem mais estava fazendo testes, porque eu sabia o que eles estavam procurando. Eu sabia que eles estavam procurando por um jovem substituto de Dee Dee. Os Ramones nunca iriam mudar seu estilo ou quem eles eram. Eles queriam alguém que pudesse apenas dar um passo para a direita e se encaixasse no molde.

 

Dave - Em qual momento do processo você começa a realmente sentir que você poderia ficar na banda?

CJ - Em um ponto Marky disse ". Você pode ter uma chance disso, Johnny gosta de você, só ter calma" Johnny também progressivamente me perguntava e fazia sondagens como se eu tive quaisquer problemas com drogas ou álcool, coisas assim. De repente eu percebi que eu poderia ter uma chance.

 

Dave - Você seria o substituto de Dee Dee, você estava surpreso que ele ainda estava envolvido, uma vez que você entrou na banda?

CJ - Dee Dee estava lá desde o início em alguns dos primeiros ensaios, então eu sabia que ele estaria envolvido. Na verdade, eu pensei que em algum momento ele iria voltar. Não tive nenhum problema com ele, eu era como um grande fã de Dee Dee.

Só que quando ele deixou a banda, não estava fazendo a banda qualquer bem, ele estava machucando. Ainda assim, quando soube que ele deixou eu disse que nunca iria ver outro show dos Ramones, mas eu toquei com todos eles (risos).

CJ Ramone Ao Vivo no The Lounge em inferior Chicago, IL - 07 de junho de 2015. Crédito de foto: Dave Burke fotografía.

CJ Ramone ao vivo no The Lounge inferior em Chicago, IL - 07 de junho de 2015. Crédito de foto: Dave Burke Fotografia.

Dave - Após o fim dos Ramones, Voce tocou com Dee Dee e Marky, no  The Remainz. Alguma vez você fazer qualquer gravação com eles.

CJ - Não, isso foi apenas espectáculos ao vivo. Dee Dee me pediu para ficar na banda permanentemente, mas eu tinha a minha própria banda Los Gusanos no momento e é onde eu queria estar. Eu recusei e ele não estava muito feliz com isso e me senti um pouco mal, mas eu tinha que fazer minhas próprias coisas.

Então, depois eu tive a  banda chamada Bad Chopper, mas eu só fiz alguns show,  e pelo tempo que o disco saiu e eu era um pai solteiro, estava realmente focado em meus filhos.

 

Dave - Quando você lançou seu primeiro álbum solo Reconquista, você teve qualquer hesitação em fazê-lo sob o nome de CJ Ramone?

CJ - Sim, que era uma espécie de "segure-se" por um longo tempo. Eu sempre senti que se eu ia fazer algo sob o nome Ramone,  realmente tinha que ser de acordo com esse nome. No momento em que eu gravei Reconquista eu senti que a minha escrita tinha crescido e eu era capaz de dizer as coisas do jeito que eu queria dizê-los. Foi um longo caminho até chegar lá e eu espero que tenha sido capaz de fazer isso enquanto Os Ramones ainda estavam vivos. Se Reconquista tivesse sidoo ultimos album dos Ramones, o Adios Amigos, teria sido melhor do que o original Adios Amigos. Na verdade as únicas músicas boas sobre esse album foram as que Dee Dee escreveu.

 

Dave - Você tenta encaixar suas musicas pra ficar parecida com  Ramones?

CJ - Não, isso é a coisa bonita sobre elas. Eu estava tão influenciado por eles como um fã e, em seguida, tocando na banda, mas eu não acho que minhas músicas parecem que estou tentando escrever como Ramones. Há um paralelo natural, é por isso que há músicas no álbum que poderia ser uma canção de hardcore dos anos 80 e em seguida, alguns que poderia ser uma balada Buddy Holly. Você tem que lembrar que todo o material que eles foram influenciados  eu tambem fui, nós dois estávamos a beber do mesmo poço.

 

Dave - Reconquista e Last Chance to Dance foram gravados com as mesmas pessoas em um período relativamente curto de tempo, eles parecem complementar e ser muito companheiros para o outro.

CJ - ​​Sim, eu trabalhei com Steve (Soto) em Reconquista e nós trabalhamos muito bem juntos e tinham uma grande parceria. Eu estava tão feliz com a maneira como ele saiu que quando chegou a hora de fazer o próximo Imaginei vamos fazê-lo da mesma forma

 

Dave - Quando da gravação é feita ao vivo ou individualmente?

CJ - Com a minha banda estando na costa oeste nós não temos muito tempo para ensaiar juntos e eu para voar para lá semanas antes do tempo seria apenas mais dinheiro. Desde que eu financiei a maior parte do album com Jiro (Jiro Okabe da Mosrite), eu tento manter o orçamento um preço tão baixo quanto posso.

Porque nós normalmente temos apenas 2 ou 3 dias para ensaiar, nós sempre acompanhar individualmente. Como o baterista está fazendo suas trilhas que dá a todos mais tempo para se familiarizar com o material e desenvolver pequenos riffs e outras coisas ao longo do caminho.

Eu sei que não é a maneira mais orgânica para fazê-lo, mas para mim, começá-lo feito de forma eficiente é mais importante do que a necessidade de fazer tudo ao vivo. Tudo o que eu realmente importa é o que eu recebo no final , que são as faixas boas e material solido.

 

Dave - Agora que o álbum foi lançado ha um tempo e você tem tocado as músicas ao vivo, existem faixas que surpreenderam você?  

CJ - Em Reconquista houve definitivamente uma canção azarão, "Now I Know".

Eu tinha o riff e algumas das letras escritas, mas nós realmente entrou na gravação com ele como mais de uma idéia ou apenas um pedaço de uma música, mas ele veio juntos muito rapidamente e eu estava realmente muito feliz com ele quando ele veio fora. Em algum lugar na produção que tipo de se perdeu e eu não sinto que sonoramente é tão bom como tudo o mais, mas a qualidade da própria música e as letras e toda sensação da música, que foi realmente uma surpresa. Isso e "Low Ammo", essas são as duas que mais me surpreendeu.

No novo disco, "Clusterfuck", que é de Dan (Root), é um que eu ouvi pessoas gritando muito. Isso e o primeiro single oficial, "Dont Stop Swinging", que Steve escreveu. Essas duas cancoes têm sido os tipo de surpresas no album e todo mundo parece gostar deles.

 

Dave - As letras de "Dont Stop Swinging" parecem muito autobiográfica, se você escrevê-los?

CJ - Ya, eu escrevo todas as letras, eu tenho um problema cantando pessoais de outras pessoas. Eu fiz isso com as letras de Dee Dee, é claro, porque é Dee Dee Ramone (risos). Mesmo algumas de suas canções que os Ramones fizeram ao vivo, como "Love Kills". Eu sempre tentei falar pra Johnny deixar de fora, porque era realmente uma música pessoal sobre o relacionamento de Dee Dee com Sid (Vicious) e Nancy (Spungen).

Eu gosto de cantar minhas próprias letras, para eu cantar com convicção que realmente tem que ser algo me identifico.

 

Dave - Com tantas pessoas dispostas a pagar por música e apenas roubá-lo agora, você pode falar um pouco sobre o que é preciso para fazer um álbum, de fazer uma tour e ganhar o suficiente para fazer valer todo o seu esforço?

CJ - É difícil, ele realmente é. Eu estou tocando com caras que não vão sair e jogar por US $ 25 ou US $ 50 por noite, meus rapazes são profissionais, não pode esperá-los pra tocar por nada. Para sair na estrada e fazer shows e pagar pela gasolina e hotéis e pagar minhas contas, para mim, é um número muito substancial. O custo de estar na estrada é bastante elevado e quando você está tocando o tipo de espetáculo que eu faço, onde poderia haver 50 a 250 pessoas por noite, dependendo de onde você está, para receber o pagamento do montante que é preciso para ser não é difícil.

É por isso que você não me vê excursionando os Estados que, muitas vezes, é muito difícil fazê-lo.  Fora dos Eua é muito mais fácil, o promotor paga nosso transporte, nossa comida, nosso equipamento e, em seguida, paga-nos em cima disso. Nos Estados Unidos, as pessoas não levar a música a sério como fazem ao redor.

Aqui, se você é uma grande banda, as pessoas vão pagar US $ 50 por uma camiseta quando eles vêm para um show, mas se você é uma banda menor como somos, as pessoas não estão dispostos a gastar um monte de dinheiro para um ingresso e, por vezes, um monte de gemte simplesmente não podem pagar. É um ato de equilíbrio muito difícil.

Sair com outra banda como desta vez com o Shonen Knife realmente ajuda muito. Os promotores são mais animado, eu não estou apenas trazendo meu publico,  eles estão trazendo seus e nós provavelmente estamos pegando um par de fãs cada um por show. Isso eu realmente aprendi muito sobre como eu estou indo provavelmente para fazer as coisas no futuro.

 

Dave - não apenas financeiramente, mas fisicamente eu imagino que é um pouco diferente agora do que quando você era um garoto de 23 anos com os Ramones.

CJ - É uma coisa difícil, eu vou fazer 50 este ano. Se eu tivesse 25 ou 26 saltando na van, carregando meu próprio equipamento, indo nessas unidades longas, tudo isso não seria grande coisa, mas quase nos 50, é um grande negócio. Eu tenho que ter certeza que eu vá dormir, eu não posso festejar como eu costumava fazer à noite, que é algo muito diferente agora. Eu realmente tento fazer o meu melhor para ter certeza de que eu coloquei no palco realmente um bom show.

Eu poderia fazê-lo mais barato, tocar só pra pequenos publicos, não trazer roadies e se fazer os mais jovens fazer todo o carregamento dentro e para fora e fazer a gestão sobre o meu próprio, mas uma vez que isso tudo começou de novo, me sentei e descobri o que seria necessário para estar fora na estrada. Quanto tempo eu poderia colocar nele o que eu acho que a resposta seria e quando nós corremos todos os números que nós dissemos que poderíamos fazer isso acontecer.

 

Dave - Agora você é experiente e responsável por manter tudo no caminho certo, mas quando você se juntou primeiramente Os Ramones fez você entrar na vida típico rock n roll ou eles manter uma rédea muito apertado em você?

CJ - Contanto que eu não beber antes dos shows e não foi muito fora de controle, eles não dizem muito, mas sim, eu festejava muito quando eu estava nos Ramones. Eu estava vivendo o sonho rock n roll e tudo valeu a pena, mas eu nunca perdi um show por causa disso. É uma coisa difícil quando você está viajando para todos esses lugares e todo mundo quer ser seu amigo e todo mundo quer comprar uma bebida, você sabe o que quero dizer?

Eu realmente aproveitei e realmente vivi, mas quando os Ramones de aposentaram,  não foi problema para voltar e trabalhar um trabalho regular e começar uma família e não tenho arrependimentos, porque eu realmente fiz tudo.

 

Dave - Como foi para sua esposa e família sobre você estar de volta para o negócio da música?

CJ - Minha esposa e eu tinha sido amigos por 17 anos, então ela sabia o que ela estava se metendo antes de nos casarmos (risos). Eu tinha realmente deixou a música para trás e não tinha intenções de voltar, que esta fase da minha vida tinha acabado e esta foi a próxima fase. Depois de um tempo ela estava dizendo "por que você não voltar para lá" e meu gerente estava dizendo "você ainda pode estar fazendo isso."

Eu sempre senti que eu tinha colocado a música atrás de mim e eu estava focado em meus filhos. Eu não queria estar longe deles e perder aniversários e todas essas coisas, mas ambos só disse "dar-lhe algum pensamento". Depois sentei-me e percebi isso tudo para fora e percebi que eu poderia fazer a mesma quantidade em turnê algumas vezes por ano como eu estava trabalhando o meu trabalho e ser capaz de estar em casa mais e passar mais tempo com meus filhos, eu disse "não faz sentido para me para voltar e fazê-lo ".

Eu sei que não estou onde eu estava com os Ramones no palco e eu não tento ser ou fingir ser, mas eu sinto que eu ainda faço um bom show. Eu ainda fazê-lo com sentimento e eu ainda fazê-lo com paixão e as coisas que fazemos soa muito bem. Eu só não sou tão ágil e tão cheio de energia como eu costumava ser (risos), mas eu ainda estou fazendo um bom trabalho. Essa é a única coisa que realmente me mantém em mais do que qualquer outra coisa. Tenho certeza que o dia virá quando eu vou subir no palco uma noite e se sentir como "não, é só não vai acontecer" e que é o dia eu vou embalar meu baixo. A última coisa que eu quero fazer é constranger o meu legado e o dos Ramones.

 

Dave - Falando do legado Ramones. Agora que seus filhos são mais velhos têm qualquer noção do que os Ramones realmente eram ou o que significa que você era parte disso ?

CJ - A primeira vez que meus filhos me viu em pé em um palco tocando música, Eddie Vedder tinha me convidado para tocar uma canção com Pearl Jam no Madison Square Garden, então eu devo a ele grande parte dissso (risos). A minha filha disse: "Pai, eu não sabia que você era tão famoso, mas eles não são realmente tudo o que impressionou. Eu já ouvi as conversas entre a minha filha mais velha e seus amigos (sussurro) "é o seu pai realmente nos Ramones"? E eu ouvi-la dizer "nós realmente temos que falar sobre isso?"

 

Dave - Com relação às crianças em geral e seu interesse nos Ramones agora, você vê pessoas em todos os lugares Ramones desportivos camisetas, mas ainda assim eles não vendem muitos discos.

CJ - O fato de que os Ramones primeiro álbum finalmente foi ouro este ano é uma farsa, é provavelmente um dos registros mais influentes já registrados e levou ele 40 anos e que é múltiplos formatos.

 

Dave - Você recentemente tocou o anual Joey Ramone Birthday Bash. Pareceu depois que a banda tinha se aposentado e Johnny, Joey e Dee Dee tinha passado, havia um monte de coisas ditas na imprensa e apenas atrito em geral entre os  parentes dos membros sobreviventes e familiares etc. Tem que tudo foi colocado para descansar agora?

CJ - Para mim, isso nunca foi um problema, eu nunca tive qualquer animosidade para com ninguém. Pareceu-me que uma vez que os caras estavam mortos, que todo mundo estava lutando por que estava indo para ser o porta-voz para a banda, mas eu realmente não estava interessado nele. Eu nunca senti que eu estava em uma competição ou devia nada a ninguém.

Johnny e Joey e Tommy e Arturo Vega e Danny Fields (Ramones Manager), todas as opiniões das pessoas que realmente contam, já tinha me disse que a minha contribuição foi importante. O que algum pensamento mais ou dito sobre mim, realmente não importa e eu realmente não tinha animosidade para com ninguém.

Eu nunca estive lá para capitalizar sobre o seu estrelato ou o que tinham feito, eu estava lá para apoiá-los. Eu queria dar-lhes um par extra de anos para sua carreira, como um fã. Eu queria ver os Ramones ir e ainda ser bom e é assim que eu sempre penso sobre tudo. Então, quando as pessoas começaram a falar merda, foi infeliz e eu não gostei, mas eu não estava indo para responder a isso.

 

Dave - Houve muitos livros escritos por pessoas associadas com a banda ao longo dos anos e Marky acaba de lançar um também. É algo que você jamais se vê fazendo?

CJ - Eu estive trabalhando em um livro por um longo tempo, eu sou um editor auto vicioso e prova ler tudo um milhão de vezes. Eu provavelmente precisa de alguém para trabalhar comigo e me ajudar a faze-lo. Eu já tenho 300 páginas e eu estou apenas começando com os Ramones. Eu quero fazê-lo para mim e para os meus filhos, quando ficarem mais velhos eles vão ser capazes de lê-lo e realmente entender de onde eu vim. Então ele vai cobrir a partir de quando eu nasci até o caminho através do meu tempo com os Ramones.

 

Dave - Quando você entrou para o Ramones os caras foram todos cerca de 15 anos mais velho que você e praticamente levou sob a sua asa. Olhando para trás agora, o que é uma coisa que você aprendeu com cada um deles que você ainda usa em sua vida?

CJ - Isso é o que a canção "Three Angles" de Reconquita é realmente sobre.

Johnny era mais como uma figura paterna ou mentor. Ele realmente era sempre aquele que diz "você tem que ser duro, você não pode fazer merda, você tem que estar no controle de sua vida e sabe para onde está indo e o que você está fazendo." É claro que eu tinha aprendido um monte de que já no serviço militar, mas quando se trata de alguém que você admirava quando era criança ou era um herói para você, isso significa muito mais.

Joey era mais do outro lado. Ele estava sempre dizendo "você tem que levá-lo fácil na vida, você tem que encontrar a paz em sua vida. Preocupe-se com você mesmo e não o que os outros pensam. Você não tem que provar nada a ninguém "

Dee Dee, ele foi o artista. Eu aprendi muito com ele, e não apenas pelo que ele disse, mas pela forma como ele viveu. Ele era o tipo de cara que iria apenas pegar e mover-se, ir ao vivo em Amsterdã por seis meses com sua namorada de 16 anos argentina (risos). Ele estava em algumas situações bastante cabeludas, mas Dee Dee era um sobrevivente, ele poderia sobreviver a qualquer coisa, a qualquer hora em qualquer lugar. Ele teve a esperteza da rua.

Eu definitivamente aprendi coisas importantes de todos eles, é algo que eu usei um milhão de vezes na minha vida. O que eu faço aqui na estrada, tudo o que faço, é algo que aprendi com Johnny e Monte e como eles faziam esta organização. Todos esse tipo de coisa  vieram deles. Eu não seria capaz de fazer o que estou fazendo agora se não tivesse trabalhado com esses caras.

 

Dave - Graças CJ.

CJ - Não tem problema.one.com

 

 

 

contato@ramonesfans.com

RAMONESFANS WEBSITE - BRAZILIAN FAN

.: www.ramonesfans.com é um site não oficial sobre os Ramones desenvolvido por um fã com a colaboração de outros fãs de Ramones :.